domingo, 23 de outubro de 2011

Começa na Bélgica a Busworld, maior feira de ônibus do mundo

Mostra reúne as maiores empresas do segmento na cidade de Kortrijk
Texto de José Carlos Secco, para AB
Sem a presença de nenhuma empresa brasileira, apesar da importância dos fabricantes e do mercado nacional para o setor, começou nesta sexta-feira, 21, em Kortrijk, na Bélgica, a Busworld 2011, maior, mais importante e sofisticada feira do mundo no segmento de ônibus. O evento, que termina no dia 26, reúne 350 expositores, pretende atrair 25 mil visitantes de 110 países e apresenta as principais tendências e o que há de mais moderno em veículos, componentes e serviços. 
O principal tema abordado pelos fabricantes e construtores (de ônibus completos, carrocerias e chassis) é a sustentabilidade e a preocupação com a redução das emissões para a preservação ambiental. É unânime entre as empresas o importante papel que o ônibus e a sua maior utilização podem desempenhar para a redução da emissão de poluentes, do consumo de combustível e, mais importante, para o bem-estar dos habitantes de qualquer cidade do mundo, mesmo as pequenas. 
Os maiores fabricantes europeus, como Irisbus, MAN, Mercedes-Benz, Scania, VDL e Volvo, e também os cinco chineses presentes – recorde do evento – focaram suas participações no lançamento de modelos híbridos, diesel/elétrico, elétricos e movidos a hidrogênio. Para os executivos dessas empresas, hoje as opções mais eficientes e de aplicação imediata são os híbridos diesel/elétrico, mas o futuro aponta o veículo totalmente elétrico como o mais indicado para o transporte urbano, devido a não emissão, baixíssimo nível de ruído e conforto. 
Com propostas e tecnologias semelhantes, os modelos híbridos apresentados em Kortrijk por esses construtores são, em média, 40% mais econômicos, reduzem em 50% a emissão de CO2 e o ruído em até 35%, em relação aos veículos Euro V em aplicação hoje na Europa. 
Outro ponto comum entre os fabricantes europeus é o investimento no desenvolvimento de veículos e soluções para os sistemas BRT. Todos apostam nele como uma das melhores soluções para a sociedade e afirmam que não será possível atingir os objetivos de diminuição da poluição ambiental nas grandes cidades sem o ônibus, de preferência híbrido, elétrico ou até hibrido plug-in (para recarregamento rápido das baterias). 
Várias montadoras colocaram à disposição dos visitantes os seus veículos para demonstrar os benefícios dessa tecnologia e o ponto imeditamente perceptível é o silêncio. O objetivo é conscientizar e convencer a sociedade de que o ônibus é a solução e a maioria aderiu à ação lançada na Busworld – Coach&Bus – sustainable mobility (Ônibus – mobilidade sustentável). 
A conta não fecha
Não só os fabricantes europeus, mas os cinco construtores chineses presentes na edição deste ano da Busworld Kortrijk deram total ênfase para os híbridos e deixaram claro que o mercado-alvo deles é a Europa. Apesar de a China ter anunciado a decisão de investir muito no desenvolvimento dessa tecnologia e de vários testes estarem em realização no país, as oportunidades de fornecimento em curto prazo estão centradas nas nações europeias. E aí a conta não fecha. Os promotores da Busworld apontam que, há dez anos, a produção mundial era de 240 mil unidades/ano, a Europa produzia 34 mil veículos e a China menos de 30 mil. Hoje o mercado cresceu 50% e atingiu volume de 360 mil unidades/ano, mas a Europa responde apenas por 7% do total e a China pulou para 29% ou mais de 100 mil ônibus. Por que todo e tanto interesse dos fabricantes chineses e de outros países, como Turquia, Rússia e Eslovênia no mercado europeu? Por que investir e concorrer em um mercado que retrocedeu de 2008 para cá? Por que não focar em uma região com maior potencial de crescimento? Para os turcos da Temsa, a região responde por 85% da sua produção. O estranho é que tanto Volvo, como Scania, Mercedes-Benz e MAN apontaram a América Latina e a Ásia como os continentes de maior crescimento e as duas primeiras estão investindo fortemente na China, inclusive para o desenvolvimento de modelos híbridos. Os europeus apontando suas fichas e volumes nas Américas e Ásia e os asiáticos e do leste europeu mirando o velho continente. A explicação é que, para os asiáticos, estar na Europa comprova qualidade – outro tema bastante explorado para tentar valorizar o produto. Já para os fabricantes do leste europeu e Oriente Médio, os diferenciais são os baixos custos de aquisição e operacional, garantidos pela utilização de componentes de marcas tradicionais, produzidos fora da Europa. De qualquer maneira, a conta não fecha. Pelos discursos e produtos apresentados, a oferta de híbridos será acima da demanda. São pouco mais de 1.000 unidades rodando na Europa e nos Estados Unidos, menos de 0,5% do total produzido. Também vai faltar mercado para tantos fabricantes interessados no velho continente. É esperar para ver como os clientes reagirão aos apelos da sustentabilidade e do híbrido que, sem dúvida trarão custos maiores, ainda mais com a entrada em vigor da norma Euro 6, em 2013, na Europa.
Fonte da Matéria: http://automotivebusiness.com.br/
Material jornalístico passível de direitos autorais. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes. Antes de reproduzir por qualquer meio, consulte sobre autorização.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...