quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Na maior feira de ônibus do mundo Busworld 2015, veículos para todas as aplicações

por fernandosiqueira

Na Busworld 2015, empresas mundiais se empenharam em como agradar o cliente e atrai-lo para o ônibus.

Elétrico, híbrido, a gás natural, diesel ou etanol. Piso baixo, Low Entry ou piso convencional, com degraus. De cinco a 28 metros de comprimento. Convencional, articulado, biarticulado, midi e minibus. Rodoviário, urbano ou “all-rounder”, não importa. O que importa é atender as necessidades e desejos dos passageiros para atrai-los para o ônibus e ter preço e serviço para garantir o retorno sobre o investimento dos operadores.
É isso que as grandes montadores e fabricantes de ônibus mostraram na 23ª edição da Busworld Kortrijk, realizada na cidade belga de mesmo nome até o último dia 21. Ninguém mais diz que o modelo elétrico é o futuro. O futuro é a pluralidade de combustíveis, do diesel convencional ao elétrico, passando pelo biogás e híbrido, entre outros. O objetivo é alcançar zero emissões, mas isto vai depender das legislações em cada diferente mercado, da exigência cada vez maior do usuário e também da capacidade de investimento dos operadores.
Foram 411 expositores, sendo 67 diferentes fabricantes de ônibus, de 36 países, espalhados por 10 pavilhões que totalizam 13 mil m2 de área construída. A meta dos organizadores foi superar os 33 mil visitantes e, para isso, os fabricantes de ônibus colocaram à disposição dos participantes 76 veículos para teste no espaço externo do Kortrijk Expo.
Para convencer os clientes, os principais fabricantes, da Alemanha à Suécia e da China à Turquia, todos procuraram oferecer muito mais do que apenas o ônibus. Pelo menos na Europa, somente o veículo não atende mais a necessidade das cidades e de seus operadores.
Além do produto, o fabricante está fornecendo o que quase todos chamam de uma solução completa. Esta solução completa inclui suporte quase total, como instituições que facilitam o financiamento para a aquisição, monitoramento e manutenção da frota do cliente, imediata reposição de peças a até auxílio para revender o ônibus usado.
Outra característica cada vez mais forte no mercado, bem diferente do Brasil, é que não existe mais a diferenciação entre fabricante de chassi e fabricante de carrocerias (encarroçador). Quase todos são definidos agora como fabricantes de ônibus. As tradicionais montadoras, como Iveco, MAN, Mercedes-Benz, Scania e Volvo produzem seus veículos completos. Já as grandes encarroçadoras fecharam parcerias com fornecedores de powertrain, como ZF, DAF, Cummins, Allison, para comercializar o ônibus completo e são responsáveis pelo pós-venda de todo o veículo. Existem ainda as tradicionais encarroçadoras, de médio e pequeno portes, mas são poucas e estão perdendo espaço para as mais fortes.
Outra grande novidade é que, para atrair mais usuários (principalmente proprietários de automóveis) os ônibus urbanos estão com configurações internas muito próximas às dos rodoviários e não como no Brasil, com um interior espartano para não dizer totalmente desconfortável e nada convidativo. Os urbanos da Europa parecem automóveis de alto luxo, tanto por dentro quanto por fora, inclusive com poltronas que giram.

Volvo

Os destaques da Volvo na Busworld 2015 foram os lançamento do novo ônibus 7900 de 12 metros 100% elétrico e o sistema de condução dinâmica da Volvo (VDS). Pela primeira vez na história, a Volvo lançou um ônibus elétrico na configuração de 12 metros de comprimento para produção em série. As vendas começam em 2016 e amplia a gama de ônibus movidos a energia elétrica. O novo Volvo 7900 elétrico é executado silenciosamente, não emite gases de escape e é cerca de 80% mais eficiente em termos energéticos do que um ônibus diesel correspondente.
O Volvo 7900 elétrico possui baterias de lítio-íon que são carregadas tanto pela energia gerada sempre que os freios são acionados e também por intermédio da rede de corrente elétrica quando para no final do trajeto. Cada carga através da rede leva de três a seis minutos. Cada minuto de carga permite a 5-10 minutos de condução. O ônibus é projetado para rotas entre 10-20 km. Esse modelo será principalmente comercializado como uma solução completa “turnkey”, que engloba financiamento e manutenção do veículo e da bateria. A infraestrutura de recarga também será incluída no pacote através da cooperação da Volvo com a Siemens e ABB. Juntamente com parceiros locais, a Volvo Buses pode fornecer serviços de oficina. Configuração de velocidade e outras características de gestão da zona, serviços de depósitos e de gestão do tráfego são oferecidos opcionalmente.
O sistema de condução dinâmica da Volvo tem sido um equipamento dos caminhões da Volvo desde 2013. Agora, passa a ser oferecido também nos ônibus para ampliar as características de segurança. Na Europa, o sistema de direção Assistida Volvo Dinâmico (VDS) está sendo integrado aos modelos Volvo 9500, 9700 e 9900, bem como aos chassis com motores Euro 6 de 8 ou 11 litros. O sistema compensa automaticamente o piso irregular e elimina vibrações e trancos no volante, tornando a condução muito mais fácil e confortável. Ao dirigir em baixas velocidades, o volante de inércia é reduzido em cerca de 75%, o que também torna muito mais fácil as manobras. O sistema também facilita a direção e retorna o volante para posição central automaticamente quando o condutor o solta. Em altas velocidades, o ônibus mantém direção consistente, mesmo em estradas com superfícies ruins.

Scania

A fabricante sueca apresentou uma gama de motorizações que vão do etanol ao 100% elétrico, passando pelo diesel, biogás e híbrido. A montadora também aposta na solução total, com o seu “fleet care”. Para ela, o importante é promover a utilização do ônibus com produtos específicos para cada mercado. Entre os produtos, a novidade foi o lançamento da nova família Scania Interlink, considerada um “all-rounder”, ou seja, um único modelo que pode atender desde as necessidades do transporte urbano, como também intermunicipal e rodoviário. O modelo é oferecido em comprimentos de 11 a 15 metros, com dois ou três eixos, movido a gás, diesel e híbrido.
Van Hool
O grande diferencial do fabricante belga é oferecer modelos de ônibus diferenciados para nichos de mercado e sistemas de transporte em diversas partes do mundo. Sobretudo na Europa e América do Norte, onde possui uma fábrica de rodoviários e detém 8% de participação do mercado. A empresa é um dos bons exemplos de parceria, no caso com a DAF, para motores e eixos, e com a ZF para transmissões.
Os modelos de maior sucesso são o modelo TDX27 Astromega, um Double Decker, e o Exqui, veículo com desenho vanguardista e inusitado, produzido em tamanhos de 18 e 24 metros
motorização diesel híbrido, fuel cell e trolley (elétrico em linhas eletrificadas). Esses ônibus rodam em diversos programas e sistemas nos Estados Unidos, na França, na Escócia, na Alemanha e, recentemente, foram fornecidos para a Martinica, um departamento ultramarino insular francês no Caribe. O modelo Double Decker, TDX27 Astromega é sucesso de vendas nos Estados Unidos, com mais de 1.100 unidades comercializadas.

VDL

A novidade da outra fabricante belga também é o lançamento de um novo Double Decker, o Futura FDD2. O veículo tem acabamento primoroso e inova em sua configuração, onde a altura do piso inferior é maior que a do piso superior (1,855m e 1,724m, respectivamente). Para garantir maior conforto e segurança, o modelo conta com diversos equipamentos eletrônicos para condução e tem capacidade para transportar 96 passageiros, além de 9,3 metros cúbicos de espaço para bagagem.

Solaris

A polonesa Solaris vai comemorar, em 2016, 20 anos de sua fundação e apresentou dois novos modelos: o novo Urbino 12 Elétrico com um sistema de carregamento pantográfico no teto, e o novo Urbino 12 LE, (Low Entry). Livre de emissões e limpo, o “zero emissão” Urbino 12 Elétrico tem um novo processo de construção com leve e rígido bodyframe que garante menor peso total e interior espaçoso. O veículo apresentado é equipado com baterias de alta energia da Solaris que geram 240 kWh. O conjunto foi dividido em seis blocos separados de 40 kWh cada. Quatro blocos estão localizados na parte traseira do veículo, enquanto o resto é montado no teto, ao longo do primeiro eixo. Esta solução garante uma distribuição adequada da carga nos eixos e, além disso, oferece espaço adicional no compartimento de passageiros. O novo de 12 metros Urbino Elétrico é equipado com o eixo de acionamento elétrico com motores montados no eixo, com 125 kW de potência máxima cada. Este conceito libera espaço para os passageiros e reduz significativamente o peso do veículo.
O novo Urbino 12 Elétrico foi equipado com um sistema de carregamento pantográfico inovador. Com 450 kW de potência, permite uma recarga rápida das baterias na rota. Um plug-in de conexão tradicional também é fornecido e pode ser usado para carregar durante a noite na garagem. Já o novo ônibus Urbino 12 LE (Low Entry) é significativamente mais leve do que o seu antecessor, devido ao novo processo de construção, e teve a sua capacidade de passageiros aumentada para 44 passageiros sentados e 94 no total. Para isso, os engenheiros da Solaris aliviaram o peso no eixo de tração, melhorando as cargas por eixo, graças à movimentação de todos os tanques de ar para a parte da frente do veículo e posicionando tanques de combustível sobre os arcos das rodas dianteiras. Também relevante é que a versão 12LE foi preparada para acomodar motores Euro 6 de várias capacidades. O modelo apresentado na Busworld estava equipado com um motor Cummins ISB6.7, mas os clientes também podem escolher o motor Paccar / DAF MX-11.

Iveco

As novidades na Iveco estão na nova motorização Euro 6 e na oferta de veículos com diversos combustíveis, como o diesel convencional, o biogás, híbrido e 100% elétrico. O novo Crealis, desenvolvido exclusivamente para o conceito de Bus Rapid Transit, é produzido com as opções de ser movido a Diesel, gás natural ou híbrido elétrico, com motorizações fornecidas pela FPT.


O Magelys foi eleito o “Ônibus Rodoviário do Ano 2016″. O modelo conta com design elegante e dinâmico e possui três versões, cada uma disponível em dois comprimentos diferentes (12,20 e 12,80 m): Line, para viagens de média distância em condições de conforto excepcional; Pro, para serviços sofisticados nas linhas intermunicipais, nacionais e internacionais, e Lounge, uma nova versão completa. Baseada na Pro e com diferenciais como ZF AS-Tronic transmissão automatizada, assento do motorista com apoio de braço, degelo elétrico na janela do motorista, GPS, câmera de marcha à ré, câmera para a porta do centro, microfone, câmera, máquina de café, câmera filmando a estrada para os passageiros e teto central, de vidros duplos. Os seguintes equipamentos opcionais estão disponíveis: assentos com encosto de cabeça ajustável, entradas USB, display touchscreen de rádio e duas mesas de jogos na parte traseira com capacidade para oito passageiros.
Já o Urbanway é o modelo urbano de maior sucesso da Iveco é disponível em versões curta (10,60 m), padrão (12 m) e articulados (18 m); com motorizações Euro 6 HI-SCR, a gás natural (CNGs) e elétrica híbrida. Medindo 12 metros de comprimento, o ônibus apresentado na Busworld é alimentado pelo motor Iveco Cursor 9 Euro 6 HI-SCR de 360 hp. Tem capacidade para acomodar 21 passageiros, com espaço para um cadeirante, e oferece iluminação ambiente com LEDs embutidos no teto, que é projetado para ser compatível com a decoração personalizada selecionada pelo cliente; o fluxo de ar a partir do sistema de ar- condicionado é otimizado pelo uso de “cortina de ar” nas portas.

Mercedes-Benz

A Mercedes-Benz lançou o novo urbano Citaro NGT (Tecnologia de Gás Natural). O veículo se destaca pelo silêncio e redução de emissões de CO2 – ambas são vantagens cruciais no tráfego pesado do centro da cidade. O modelo é comercializado nas versões convencional e articulado. O Citaro NGT também está aprovado para utilização com fontes de energia renováveis ​​nos termos de gás natural com a norma DIN 51624, sem restrições. O novo motor M 936 G a gás natural tem níveis ainda mais baixos de ruído do que o OM 936 diesel. Dependendo da forma de condução, as emissões de ruído são até 4 dB (A) inferiores, o qual corresponde ao nível de ruído percebido quase 50% menor.
O novo Mercedes-Benz M 936 G motor de gás natural com um deslocamento de 7,7 l é atualmente o motor a gás natural mais compacto de sua categoria. Ele oferece o desempenho de um motor diesel ao definir normas para as emissões de escape e sonoras. O motor é especialmente leve e compacto. Pesando apenas 747 kg, incluindo o catalisador primário, é cerca de 230 kg, ou quase 25% mais leve do que o motor antecessor com um deslocamento de 12,0 l.
O M 936 G é baseado no motor OM 936 turbodiesel, motor já está em uso no Citaro e Citaro G e Euro 6. O motor mono combustível de seis cilindros instalado na vertical funciona a gás natural comprimido (GNC). Tem potência de 222 kW (302 hp) a 2000 rpm e torque máximo de 1200 Nm entre 1200-1600 rpm.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...