segunda-feira, 28 de maio de 2012

'Quartel-general' vai vigiar superlotação na Transoeste

Câmaras controlarão, em tempo real, número de passageiros em ônibus e plataformas
POR CHRISTINA NASCIMENTO
Rio - O novo sistema de ônibus expresso Transoeste, que ligará Santa Cruz à Barra da Tijuca, terá um ‘quartel-general’ de operação e a segurança feita por 120 PMs. Do centro, que fica no Terminal Alvorada, na Barra, será possível até mesmo controlar em tempo real o número de passageiros de cada ônibus e das plataformas de embarque, de modo a evitar um rotineiro problema: a superlotação.
Com as câmeras, os operadores vão poder evitar aglomerações de passageiros nas estações | Foto: Alexandre Vieira / Agência O Dia
Com a vigilância do número dos bilhetes eletrônicos que passam na catraca das estações, será possível a central de monitoramento prever com antecedência a aglomeração de passageiros e, com isso, acionar outro ônibus para seguir da garagem direto para o terminal que está lotado.
“Assim, se houver excedente de pessoas, o centro de controle age imediatamente nesta operação para evitar superlotação”, explicou o vice-presidente do Rio Ônibus, Octacilio Monteiro, que participou, ontem, com 40 moradores de condomínios da Barra da Tijuca, de visita guiada entre a Estação Novo Leblon, na Avenida das Américas, e o túnel da Grota Funda, com ônibus BRT. A partir de amanhã, os testes serão abertos ao público.
Os controladores terão o suporte de 120 policiais militares que foram contratados pela Rio Ônibus para fazer segurança nas 31 estações de embarque e desembarque que vão funcionar na primeira etapa do Transoeste. A previsão é que o sistema seja oficialmente inaugurado dia 4, com a presença da presidenta Dilma Rousseff, que fará uma viagem num dos BRTs.
O centro de operação, por enquanto, conta com 12 funcionários — número que será ampliado até setembro. Cinco dos operadores têm computador com três monitores: um para acompanhar o trajeto dos ônibus, outro para relatórios sobre o sistema e último restrito troca de informações com motoristas, como aviso sobre assalto no veículo, por exemplo.
Em caso de pane mecânica, a solução de emergência não pode ultrapassar de 12 minutos. Dois painéis — um com dez telas e outro com seis — mostram em verde cada ônibus BRT se locomovendo. Se houver qualquer problema no veículo, a cor muda para vermelha. Treinamentos simulando situações foram feitos para definir qual o tempo ideal de atendimento.
Passeio vip para moradores de condomínios de luxo
Previsto para ser o transporte de massa dos trabalhadores que moram em Sepetiba, Guaratiba, Santa Cruz e Campo Grande, o corredor, por enquanto, só foi testado por seleto grupo de pessoas que não são usuários de ônibus. Autoridades, empresários e moradores de condomínios de luxo da Barra da Tijuca foram os primeiros a experimentar o sistema.
Ontem, foram dois veículos, com cerca de 40 passageiros, circulou pelo corredor expresso. Ao ser questionado sobre se utilizaria o sistema, um dos moradores da Barra afirmou: “Nós, não. Mas os funcionários dos prédios e nossas empregadas, sim”.
Nem mesmo começou a funcionar, o Transoeste já causa polêmica entre o grupo. Uma das preocupações é a falta de banheiros nas estações. Eles temem que os usuários transformem os muros do bairro em ‘mijódromos’. Outra crítica é para falta de quiosques e lanchonetes nas plataformas, o que poderia estimular o comércio ambulante nos acessos às paradas de ônibus.
“A prefeitura pune o cidadão que faz xixi na rua, mas faz um sistema tão complexo como esse sem banheiros. Muitas das estações ficam em lugares ermos e a viagem pode durar mais de uma hora”, reclamou Joaquim da Costa, 64 anos.
São menos 251 ônibus nas ruas
Pelo menos 251 ônibus que passam diariamente pela Avenida das Américas, na Barra da Tijuca, serão retirados das ruas quando o sistema da Transoeste estiver totalmente implantado, segundo a Prefeitura do Rio. Os veículos serão substituídos por linhas alimentadoras — ônibus convencionais que levarão moradores das redondezas até as estações do BRT.
Três dessas linhas vão circular na primeira etapa: 896A (Pedra de Guaratiba-Pingo D’Água); 897A (Alvorada-Ayrton Senna, via BarraShopping) e 899A (Alvorada-Joatinga).
Mas os passageiros devem ficar atentos: para chegar às estações, eles vão poder usar vans que já têm a bilhetagem eletrônica. A tarifa de Bilhete Único (R$ 2,75) vai permitir o uso de até três conduções.
Faixas são usadas como área de lazer
A visita guiada feita ontem alertou as empresas de ônibus para um sério problema: muitos moradores da região têm usado a faixa exclusiva do BRT como ciclovia e área de lazer para andar de patins e fazer caminhadas. Os ônibus trafegam a 50 km/h.
Por pelo menos duas vezes, os veículos tiveram que parar durante o trajeto para que a pista fosse desocupada, onde moradores praticavam atividade física. “As pessoas precisam entender que estão feitos testes com ônibus. Essa pista não é para passeio. Elas estão se arriscando”, reclamou o vice-presidente do Rio Ônibus, Octacílio Monteiro.
Fonte da Matéria,foto e arte Jornal o Dia.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...